quinta-feira, 27 de maio de 2010

Cristianismo Espiritual ou Secular?

Uma pergunta assustadora, não? Também achei.

Mas esta foi a pergunta que veio a minha mente hoje pela manhã: “que cristianismo temos hoje (ou há vários anos)?

Já ouvi várias vezes a pergunta: “você ouve música secular?”. Agora a pergunta que eu faço é: “porque você não ouve música secular?”. É um assunto bem polêmico, mas você já parou para pensar nisso ou simplesmente não faz porque alguém disse que não é bom?

Já faz algum tempo que existe esta separação entre “sagrado” e “secular”. Será que isso é bom? É importante?

Igrejas se fechando dentro das quatro paredes e deixando que o mundo tome conta das coisas que são do mundo, e quando a igreja sai é para buscar mais almas para Deus, pregar o arrependimento, distribuir folhetos ou coisa parecida. Não digo que isto é errado mas, nosso papel se resume a isso?

O que será que João quis dizer quando disse que “Deus amou o mundo de tal maneira...” em João3.16? E qual era a intenção de Jesus quando orou “Não peço que os tire do mundo...’ em Jô 17.15.

Que diferença nós, como igreja e individualmente (templo vivo do espírito), temos feito neste mundo? Temos amado nossos próximos como a nós mesmos? Nossos colegas de trabalho, visinhos, família, amigos, será que vêem o amor de Jesus em nossas vidas?

Quero ir mais a fundo, será que temos olhado para as pessoas? Como a Luciana postou no blog dela: “o que os olhos não vêem o coração não sente” – será que nossos olhos estão tapados para que nosso coração não sinta nada?

Ao invés de olhar para a criação de Deus e contemplar o que Ele criou, buscar as coisas boas que há em cada coisa, temos simplesmente separado o “sagrado” do “secular”. Fazendo isso abrimos mão do ministério que é o propósito de Jesus, reconciliar com Ele todas as coisas (Cl 1.16-20).

Sl 24.1 diz que a Terra é do Senhor e tudo o que nela há.  Em Gn 2.15 Deus dá ao homem a tarefa de administrar toda a criação, e não uma carta branca para fazer o que quisermos. Está na hora de começarmos a pensar nestas coisas!

Quais são nossos valores? Qual é nosso estilo de vida? Que marca temos deixado na vida das pessoas? Como temos cuidado das coisas que Deus criou?

O “mundo” esta fazendo o que a igreja deveria estar fazendo. “Asseguro-vos que, se eles se calarem, as próprias pedras clamarão.”

Quero te convidar a refletir um pouco sobre este assunto, pois é muito mais profundo do que as coisas eu escrevi. Pense também no que a Grande Comissão tem a ver com isso e em seu papel em tudo isso.

Recomendo também o vídeo Everything is Spiritual do Rob Bell, disponível legendado neste link:

Deus nos abençoe!

5 comentários:

Warley e Angelica disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rodolpho Bueno disse...

Sim... mas a questão é não se separar, e sim se incluir!!
O mundo é todo do nosso Senhor, então porque vamos nos separar dele? Temos que mudar esta nossa mentalidade "separatista"

Warley e Angelica disse...

acho que não fui muito feliz no meu comentario ... e nem passei oque realmente queria.. mas FIQUE FIRMES.. tamos.. ai..

Loprete disse...

Eu consigo te compreender. Pra influenciar, vc tem que conviver no meio.
Como vc irá influenciar, se vc se afastar de amigos seus não cristãos, que possuem uma rotina totalmente diferente da sua.

Viver o evangelho é amar o próximo, viver em comunhão com ele demonstrando esse seu amor cristão, e o acompanhando. Nesta visão, se vc tiver o pensamento de "separatista" vc dificilmente vai conseguir chegar perto de ter um relacionamento íntimo/próximo (no sentido de amizade) com esta pessoa, ouvir seus temores e problemas.

Mas temos o outro lado também. Não basta apenas "se incluir no mundo pra influenciar", pq vc não está ali pra mostrar o "seu mundo". Senão vc vai cair novamente no erro de estar dividindo as coisas... A vida cristã deve ser integral, e vc deve tomar muito cuidado com pre-conceitos, que podem atrapalhar e até barrar sua evangelização.


Lembrei de uma situação que há alguns anos atrás ainda ocorria em nossas igrejas: Um rapaz visita a igreja pela primeira vez, e entra vestindo um boné. Um representante da organização da igreja então o aborda e solicita para retirar o boné enquanto estiver no culto apenas informando que ali não se deve usar tal vestimenta. Isso sem tomar o devido cuidado.
Seria muito mais sábio cumprimentar o rapaz e tentar iniciar um relacionamento com ele. Talvez se o "boné" (neste exemplo) for realmente importante, com certeza com um tempo de relacionamento o rapaz entenderia e não precisariam "mandar" ele fazer aquilo, pois entenderia o propósito.
Pq da mesma forma que pra igreja aquilo parecia uma ofensa (não estou dizendo que é ou não é), pra pessoa, aquela situação/costume por ser diferente pra ele também pode parecer pra si uma ofensa com a sua forma de agir e pensar e isso gerar um conflito desnecessário.

Mas enfim, acho que pra "viver um cristianismo espiritual", temos que tomar cuidado com "formatos" que muitas vezes estão na igreja atual e na cabeça do cristão.

A real diferença entre o mundo e o cristianismo é na forma de amar. É o amor de Cristo. E eu acho que é por aí que devemos balizar nosso pensar e a partir de onde devemos começar a agir.

Um abraço, Lucas

Loprete disse...

"E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus." Romanos 12:2